Nextios - Blog

Gestão baseada em dados: por que ela se tornou uma necessidade?

Você já ouviu falar em gestão baseada em dados? Essa abordagem para tomada de decisões empresariais sempre existiu no mercado, mas foi potencializada nos últimos anos por tecnologias capazes de coletar e estruturar volumes gigantescos de informação.

E se essa estratégia se torna cada vez mais popular, seu valor competitivo também está crescendo. Quer saber mais e acompanhar de perto a ponta do mercado? Então veja no nosso post tudo o que você precisa saber sobre a gestão baseada em dados!

O que é gestão baseada em dados

Durante as decisões a respeito de investimentos e estratégias de mercado, uma empresa pode utilizar várias abordagens para atingir o maior lucro possível. Essas abordagens incluem o uso de indicadores de desempenho, a análise contínua do mercado e do histórico de relacionamento com consumidores.

Esses processos, implementados em conjunto, criam a chamada gestão baseada em dados. Nessa abordagem, a empresa abandona os processos de tomada de decisão feitos a partir de feeling e fatores subjetivos para que investimentos e rotinas sejam definidos com base nas informações existentes.

Assim, as escolhas feitas pelo negócio terão um impacto elevado, melhorando atividades internas e a competitividade da corporação como um todo.

Como esse tipo de gestão funciona

A gestão baseada em dados está diretamente ligada ao conceito de BI, ou inteligência de negócio. Ambos fazem parte de um processo que envolve coletar o máximo de informações relevantes (de operação, produtividade, mercado, demanda, público, entre muitos outros aspectos), organizá-las em um ambiente integrado e utilizar ferramentas específicas para estruturação, análise e elaboração de relatórios.

Geralmente, esse controle pode ser feito por soluções em softwares que se comunicam nativamente, mas principalmente em plataformas integradas de gestão.

Mas por que a tecnologia é tão importante nesse processo? É porque quanto mais dados, melhor embasadas serão suas decisões de negócio. Até um ponto em que é humanamente impossível lidar com tantos indicadores ao mesmo tempo.

A gestão baseada em dados só existe quando há apoio de ferramentas e processos capazes de processar esses valores, analisar, segmentar e interpretar as informações à disposição. É por isso que, junto a esse novo cenário, estão se popularizando tanto as tecnologias de inteligência artificial e machine learning.

Ou seja, a ideia principal é que você tenha o máximo de dados possíveis para tomar uma decisão embasada, mas existe um limite para sua capacidade de entender e comparar um volume tão grande deles.

Esse modelo, portanto, tem sucesso quando o gestor investe em um ambiente propício para a organização desses ativos e utiliza as ferramentas certas para extrair deles as respostas que precisa.

Qual é a importância de possuir uma gestão baseada em dados

A gestão baseada em dados é uma estratégia crucial para que empresas possam atingir melhores resultados a médio e longo prazo. Gestores criarão processos para que dados sejam coletados continuamente para aumentar as chances de sucesso em suas decisões.

Tais registros serão obtidos internamente ou diretamente no mercado e incluem informações como o histórico de vendas e pesquisas feitas com o público-alvo e parceiros estratégicos da companhia.

A longo prazo, essa abordagem permite que o negócio consiga compreender com maior precisão a sua posição no mercado. A empresa será capaz de avaliar como as suas medidas impactam seus lucros e quais os ganhos que seriam obtidos com determinados investimentos.

Assim, com o auxílio de rotinas de análise preditiva, líderes empresariais poderão manter a companhia competitiva e com alta performance.

E queremos reforçar ainda mais o que isso significa. A tendência para o futuro é que gestores tenham acesso a diversos cenários possíveis para o futuro e como cada decisão irá impactar nesses casos.

É como jogar xadrez, antecipar cada movimento já pensando nos próximos — e nós já estamos no ponto em que uma máquina é capaz de fazer isso com muito mais sofisticação que o cérebro humano em relação à análise de volume de dados.

Portanto, se isso significa vantagem competitiva também significa sobrevivência. A partir de agora, o gestor que não investe em BI vai fazer seu trabalho como se jogasse xadrez sem ver as peças.

Como essa gestão impacta o negócio

Até agora, ficamos bastante na parte teórica do que significa investir em gestão baseada em dados e BI. Então, é hora de conversar um pouco mais sobre seu lado prático.

O uso de informações de negócio em processos corporativos possui vários benefícios para uma empresa. Entre os quatro principais, destacamos:

A tomada de decisões baseadas em dados concretos

O processo de tomada de decisões está diretamente ligado ao sucesso da companhia, seja na área de investimentos ou de decisões sobre estratégias comerciais. E para que ele seja eficaz, é fundamental que o gestor tenha acesso a dados precisos.

Com o auxílio de uma gestão baseada em dados, a empresa passa a compreender a sua posição no mercado com maior precisão. Isso permite a realização de uma análise mais eficaz, capaz de identificar, de fato, quais são os fatores que estão diretamente ligados ao sucesso de um investimento. Assim, líderes poderão antecipar o retorno que será obtido com cada rotina, maximizando os lucros a médio e longo prazo.

Maior facilidade para identificar falhas nos processos

Por meio dos processos de gestão baseada em dados, a empresa consegue identificar rapidamente quais são as rotinas que necessitam de melhorias e como elas podem ser modificadas. O gestor terá os mecanismos necessários para avaliar o andamento de todas as rotinas internas e, assim, rastrear as que necessitam de mudanças.

Proposição de mudanças estratégicas para conquistar novos mercados

A gestão baseada em dados também permite ao negócio conquistar novos mercados e clientes. Com o acesso a informações sobre a economia e o público-alvo do empreendimento, novas estratégias comerciais podem ser criadas.

A previsão de tendências dará um retorno maior para estratégias de marketing. A companhia poderá antecipar as suas medidas em relação aos seus concorrentes, diminuindo o tempo de resposta a demandas externas.

Isso é especialmente importante quando vemos um movimento da demanda do público para a busca por experiências customizadas e uma proximidade de relação entre cliente e marca.

É um mercado voltado para nichos. Quem identifica essas demandas latentes e as abraça antes da concorrência, tem uma chance muito maior de se consolidar para aquele perfil sem ter que fazer grandes investimentos em marketing.

Redução de custos e erros

Otimizando as rotinas internas, a companhia consegue reduzir os seus custos operacionais e o número de erros internos. Assim, mais recursos são disponibilizados para investimentos e melhoria do grau de competitividade da empresa.

Todas as rotinas internas terão o seu custo de execução comparado com outras abordagens de mercado. Assim, o gestor consegue identificar como cada etapa pode ser modificada para que o empreendimento possa atingir os seus objetivos a médio e longo prazo.

Um exemplo prático disso é a diminuição significativa do retrabalho — uma constante nas gestões baseadas em feeling. Com um volume de análises e cenários identificados em mãos, o gestor pode partir para a execução da estratégia certo de seus resultados e seus processos. Nada de se perder no meio do caminho e ter que realinhar todo o time para refazer projetos que não eram adequados.

Como se implementa a gestão baseada em dados no seu negócio

A implementação de uma gestão baseada em dados é um processo complexo mas que, feito da forma certa, permite ao negócio uma rápida mudanças na sua forma de atuar e conquistar novos clientes.

Passando pelos seguintes passos, você passa por essa transição de forma eficiente e sem sustos:

Mude a cultura interna do negócio

Há a necessidade da companhia efetuar uma profunda mudança na sua cultura interna, abandonando processos baseados no instinto e criando mecanismos para coleta e processamento de dados.

Isso se faz com muita comunicação e treinamento, permitindo que todos os colaboradores participem do processo, deem ideias e conheçam os próximos passos.

O seu foco aqui é extrair a veia inovadora de cada funcionário. A gestão baseada em dados abre as portas para diferentes insights e sugestões, para uma colaboração mais ampla e significativa entre setores e departamentos.

Crie um modelo geral de BI

Após fomentar essa cultura, vamos para sua gestão em si. O primeiro passo é criar um modelo para que as informações possam ser armazenadas em segurança.

É crucial que a empresa tenha um ambiente seguro, que permita o acesso a registros com agilidade e precisão. Isso pode ser feito com o auxílio de softwares específicos, como os de banco de dados: eles possuem os recursos ideais para que a empresa possa gerir grandes conjuntos de informações com alta performance.

Estruture seu banco de dados

Uma vez coletada, toda informação precisa ser categorizada. Crie categorias que facilitem o armazenamento, a análise e a visualização de todos os registros. Assim, será mais simples organizar uma rotina de gestão baseada em dados.

É preciso também priorizar informações com base em sua importância e criar diferentes camadas de acesso de acordo com sua sensibilidade e seu valor.

Essa organização vai permitir análises mais precisas, processos agilizados e relatórios mais completos sobre o negócio. Com visões importantes de macro e micro gerenciamento que deem o poder necessário ao gestor para decisões impactantes.

Crie objetivos para sua gestão

Qualquer estratégia de negócio exige um planejamento — o quê, como, quando e por quê. Isso não é diferente quando implementamos gestão baseada em dados.

Seus objetivos devem ser claros: para que a análise consiga identificar os pontos corretos, gestores precisam compreender quais são os resultados que o negócio pretende atingir a médio e longo prazo. Assim, o direcionamento da análise será mais eficaz.

Aposte em uma equipe bem estruturada de BI

Se você quer extrair o máximo das tecnologias que permitem o uso de Big Data, você não vai fazer todo esse trabalho sozinho. É interessante, então, criar e manter um núcleo de profissionais especializado em processos e ferramentas relacionados.

Equipes de BI já são realidade em muitos negócios pelo mundo. São pessoas com os recursos e o foco na transformação de dados em decisões. Seu papel é buscar por oportunidades dentro dos relatórios rotineiros e propor formas de como alcançá-las.

A empresa hoje que não só estrutura sua análise de dados, mas também a inclui em sua rotina diretiva vai estar sempre um passo à frente de seus concorrentes.

Como escolher as melhores ferramentas para essa gestão

Quando falamos em BI, as ferramentas e estratégias utilizadas no processo de análise de dados são tão importantes quanto as pessoas que as utilizarão.

A companhia deve mesclar soluções de Big Data e data mining com processos estatísticos para que os registros obtidos por meio dos canais de coleta possam ser utilizados da melhor forma possível.

Junto com bancos de dados modernos, esse fator contribuirá para a manutenção da integridade das informações e a maximização do custo-benefício das estratégias utilizadas.

E, principalmente, você vai precisar de um sistema capaz de gerir de forma integrada todos esses recursos. Plataformas com soluções voltadas para alta performance e armazenamento de dados na nuvem podem se tornar o centro dessa estratégia.

A cloud computing, aliás, é uma ferramenta-chave para essa estratégia. Ela foi a responsável por permitir a viabilidade de uso de Big Data em empresas de menor porte e hoje está acessível para qualquer gestor que quer incluir inteligência da informação em sua gestão.

E, assim, completamos tudo o que é necessário para ter gestão baseada em dados na sua empresa: ferramentas integradas na nuvem (focadas em alta performance), planejamento de implementação e processos de análise, além de um foco com objetivos e resultados esperados para o sucesso.

Uma vez que todos esses fatores estejam incorporados ao ambiente interno, será fácil modificar a cultura da empresa para que seja focada na análise de informações.

Todos os profissionais atuarão lado a lado para que a empresa possa atingir os seus objetivos e manter-se competitiva com rotinas precisas, voltadas para as necessidades do mercado e com alto retorno financeiro.

E aí, gostou da discussão? Se você quer se atualizar em tendências de gestão e também discutir sobre o assunto, venha nos seguir no Linkedin!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *